Quatro Editoras Processaram a Cloudflare por "Permitirem a Pirataria"

Quatro Editoras Processaram a Cloudflare por "Permitirem a Pirataria"

Quatro Editoras Processaram a Cloudflare por "Permitirem a Pirataria"

As editoras Kodansha, Shueisha, Shogakukan e Kadokawa decidiram abrir um processo no Tribunal de Tóquio contra a empresa americana Cloudflare. As editoras exigem que a empresa pague uma indenização no valor de 400 milhões de ienes (mais de 3,4 milhões de dólares), alegando que a Cloudflare viola os direitos autorais das editoras ao permitir que sites piratas usem seus serviços.

Ação Internacional Antipirataria Começará em Abril de 2022

Segundo o portal Asahi, as editoras não estão conseguindo identificar o dono do site Manga Village, que era considerado um dos maiores do Japão, mas que recentemente foi encerrado. E por não conseguirem identificar o autor do site para que pagasse pelos prejuízos, as editoras mudaram o foco e agora querem fazer a Cloudflare e outras provedoras de serviços assumirem a culpa.

De acordo com a noticia, o site Manga Village recebia cerca de 300 milhões de visitas por mês e possuía um grande catálogo de mangás. As obras eram distribuídas de forma ilegal e contava com grandes franquias como Shingeki no Kyojin da editora Kodansha One Piece da editora Shueisha.

Sobre o assunto, a Cloudflare respondeu o seguinte:
Nós não estamos envolvidos diretamente com violação de direitos autorais, não somos a raiz do problema.

Pelo visto já que as empresas não conseguem identificar os donos dos sites piratas, os alvos agora serão as empresas que fornecem os serviços. Vale lembrar que uma ação internacional antipirataria deve começar em abril de 2022, será que esse processo já faz parte dessa ação?

Manual do Otaku

"Uma chance num milhão é melhor que nenhuma chance!" – Dragon Ball

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem